segunda-feira, outubro 11, 2010

Ecofascismo?

Hoje trago-vos um filme, por sinal bem realizado, e que é muito demonstrativo das pulsões profundas dos ecotópicos.
Podem vê-lo aqui.
E a propósito: no Reino Unido, onde foi produzido, foi proibido!

11 comentários:

Eduardo F. disse...

Se não é fascismo, é o quê?

Pedro Boavida disse...

Fascismo é que não é.

É fundamentalismo mesmo.

Lura do Grilo disse...

É uma pouca vergonha e antes de mais um desrespeito pela vida humana. São imensos os palpites desta tropa fandanga para acabar com a Humanidade.

Incitador disse...

Todas as criticas que tenho lido relativas a este filme demonstram que o mesmo foi levado demasiado a sério. As pessoas não se aperceberam de que os autores quiseram dar um tom humorístico à coisa (independentemente de se gostar ou não desse tipo de humor).
Por ser tão exagerado e radical, acaba por ter alguma piada, acho eu.

couto soares pacheco disse...

Sou psiquiatra e tenho a idade necessária para compreender erros básicos. Neste blog esses resultam de raiva ( revolta impotente ).
Há uns anos, um conhecido escritor de esquerda ( ainda vivo ), a seguir ao seu 25 de Abril escreveu um livro com o título irónico ( para ele ) : "O fascismo nunca existiu ", e o mundo dos amigos (dele) caíu-lhe em cima a pensar que o homem reviralhista mudara de campo... É assim: quando a ironia é tão fina que nos passa por entre os dedos , consegue passar por entre os neurónios pequenos de alguns. É pena

Pinto de Sá disse...

Caro Dr. Couto Pacheco: é claro que o vídeo tinha uma intenção irónica, como diz - se interpreto bem achando que é ao vídeo que se refere. Simplesmente, trata-se de uma ironia de muito mau gosto, no mínimo - tanto que sofre de uma ambiguidade evidente.
Ao contrário do que sucedia, parece-me bem, com o livro de Eduardo Lourenço.

Lura do Grilo disse...

O Sr Pacheco tem uma ironia muito fina e uma malha muito larga. Esta também está na classe da ironia muito fina:

"La extinción de la especie humana no sólo es inevitable, es una buena cosa". Christopher Manes, Earth First!

Outra:
"Necesitamos un amplio apoyo para estimular la fantasía del público... Para ello debemos ofrecer escenarios terroríficos, realizar declaraciones dramáticas y simples y no permitir demasiadas dudas... Cada uno de nosotros debe decidir dónde está el balance entre efectividad y honestidad".

Stephen Schneider, Stanford Profesor of Climatology, autor de muchos de los informes del IPCC.

O Raio disse...

Eu creio que o objectivo deste video era, através da polémica, chamar a atenção para o tema que os autores defendem.

Claro que é um video terrível e, mesmo assustador. Qualquer pessoa fica na dúvida se o video representa realmente os pensamentos mais profundos dos autores.

Mas, numa óptica de marketing é um golpe sensacional, o video foi visto por meio mundo, as ideias dos autores tornaram-se mais conhecidas e, no fim, os autores até são uns gajos simpáticos que acabaram pedindo desculpa...

Cincinato disse...

O que eu gosto desta polémica é que a ironia dos seus autores foi conseguirem ridicularizar os próprios clientes, ou seja, após vermos o video torna-se evidente que estamos a caminhar num sentido de um fundamentalismo ambiental muito perigoso. E como todos os fundamentalismos e totalitarismos que a Europa sofreu, de base religiosa ou política, podem estar a ser re-direccionados para o ambiente. Só espero que a nossa base liberal mais uma vez tenha a força de impor algum bom senso

Anónimo disse...

Eu acho piada, não ao filme, mas às pessoas acharem que existe uma conspiração dos ambientalistas para acabar com a humanidade. Na verdade é precisamente o contrário, são as pessoas com menos precocupações ambientais que empurram a humanidade para um abismo que pode ter conseqências imprevisiveis. As florestas tropicais continuam a destruidas, nos mares os stoques de peixe diminuem olhos vistos, a Monsanto insiste em impigir GM o que a médio prazo causa estirilização de solos motivada pela aumento da utilização de fertilizantes e fitosanitários, o que provocou a morte de muitos insectos e organismos benéficos ao solo, incluindo abelhas. Isto aconteceu na Africa do Sul, India e EUA em campos expeirmentais e neste último país alguns agricultores preferiram o suicídio às dividas. A terra arável é cada vez menos, a àgua potavel escasseia, os rios estão poluídos e os lagos estão a minguar. A população aumenta cada vez mais e os espaços habitáveis são cada vez menos.
As pessoas estão equivocadas com um bem estar baseado num consumo desenfreado e por ai fora. A conclusão a que chegam é que os "verdinhos" querem o fim da humanidade....HILARIANNNNNTE.

Gonçalo Aguiar disse...

Se os "Verdinhos" querem ou não o fim da humanidade, acho que é apenas uma hipérbole cujo grau de exagero pode variar consoante a quem der jeito. Até agora não existem evidências cientificas de que o aquecimento global dos últimos 150 anos tenha sido causado por actividade humana. Muitos cientistas climáticos concordam, outros não. Não existe um consenso universal sobre esta temática. Contrariamente a algumas leis da física que são consensuais universalmente, de acordo com o actual paradigma e compreensão do universo. Como por exemplo a famosa lei de Einstein que ao príncipio foi tão criticada, que nem chegou a ser reconhecida como prémio Nobel (E=m0c^2).

O que eu sei é que existe sim um corrente de políticos e burocratas das Nações Unidas, União Europeia, Green Peace, etc. cujo único interesse é introduzir a taxa sobre o carbono. Há uns anos atrás o meu pai, respondendo à introdução do imposto sobre recursos hídricos, afirmou: "Qualquer dia até o ar que respiramos vai ser taxado!". Pois parece que não estamos muito longe disso.