quinta-feira, julho 15, 2010

A longevidade das turbinas eólicas

Recentemente, quando confrontado com o facto do período de vigência de 15 anos da tarifa priveligiada dos produtores eólicos em Portugal praticamente coincidir com o tempo de vida das suas turbinas, que seria em média de 20 anos, o Eng.º Carlos Pimenta indignou-se e contou umas das suas habituais histórias de vida, dizendo que havia visto as primeiras turbinas montadas em Portugal em 1988 ainda a funcionar e que o tempo de vida real das eólicas andava pelos 40 anos, como nas centrais tradicionais.
Ora 20 anos é o tempo de vida anunciado pelos próprios construtores, e como que a propósito recebi há pouco umas fotos que andam a circular na net e que certamente são de origem reaccionária, como poderão verificar.

Entretanto e por curiosidade resolvi fazer uma pesquisa sobre os dados de fiabilidade que já haverá sobre as eólicas em exploração por esse mundo fora, embora seja sabido que muitos dos proprietários dos parques escondem essa informação. E encontrei informação séria e de qualidade, por exemplo aqui e aqui.
Ora esta última referência, uma tese de mestrado sueca (a Suécia tem feito extensos estudos de fiabilidade dos parques eólicos) resume a realidade de forma simples: as turbinas são projectadas, de facto, para durarem 20 anos; mas o que a experiência de exploração mostra é que cada nova geração de turbinas sofre de problemas de concepção que lhes reduzem a vida média útil a menos de 20 anos mas que quando ficam resolvidos, com a experiência, aparece entretanto a geração seguinte, mais moderna mas com novos problemas!...
Na Dinamarca, por exemplo, a experiência mostra que o tempo de vida médio das turbinas eólicas é de 15.9 anos, o que dá razão ao argumento de que os 15 anos de vigência das nossas tarifas eólicas praticamente concincide com o seu tempo de vida, e portanto o Pimentinha lá inventou mais uma das dele... :-)
Entretanto, refazendo contas ao custo de investimento das turbinas eólicas para um tempo de vida de 16 anos em vez dos 20 que tenho considerado, verificamos que a energia eólica ainda é mais cara do que o que tenho suposto...

4 comentários:

Anónimo disse...

A segunda hiperligação está errada (www.blogger.com).

Teria todo o interesse em obter mais informação sobre o assunto, pelo que seria óptimo se pudesse indicar qual o segundo endereço.

Anónimo disse...

Boa noite.
É só para dizer que o link para a segunda referência de tempo de vida das turbinas eólicas deve estar mal colocado... só me aparece o site blogger.com

Pinto de Sá disse...

Já corrigi. Às vezes acontece.

grazzi disse...

Olá! muito interessante a reflexão de que "a ciência não é neutra", ainda mais questionando seu valor explicativo... acho que essa é a grande diferença entre ciência e arte, não?